Histórico do periódico

O periódico Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional/Brazilian Journal of Occupational Therapy é continuidade dos Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar (ISSN Impresso 0104-4931, ISSN Eletrônico 2238-2860). Desde o volume 2 de 2017 passou a chamar-se Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional/Brazilian Journal of Occupational Therapy. Segue o percurso de revistas científicas das áreas de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional, vinculado à expansão do sistema de pós-graduação no Brasil e à necessidade de veiculação da informação acerca da produção de conhecimento na área. O primeiro número dos Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar foi lançado em maio de 1990, tendo sido idealizado durante o final da década de 1980, com o intuito de dar visibilidade às discussões das dissertações de mestrado e das teses de doutorado de pesquisadores terapeutas ocupacionais, como também aos avanços empreendidos pelos profissionais.

Tendo em vista o cenário da pós-graduação na época, em que não se contava com Programas de Pós-graduação em Terapia Ocupacional stricto sensu, uma vez que o primeiro mestrado acadêmico específico iniciou suas atividades em 2010, e o doutorado em 2015, na Universidade Federal de São Carlos, a publicação do periódico veio responder à demanda de discussão com áreas de interface, assim como à necessidade de divulgar a produção de conhecimento específico em Terapia Ocupacional.

As mudanças vivenciadas no cenário nacional sobre a educação superior e a pós-graduação influenciaram a formação dos profissionais da área. Houve um grande crescimento do número de cursos de graduação no Brasil, advindo da expansão das políticas de saúde, educação e assistência social, que demandavam um número maior de profissionais, entre eles terapeutas ocupacionais. Soma-se o fato de o Currículo

Mínimo exigido para a formação profissional graduada, aprovado em 1982, fortalecer a especificidade das disciplinas de Terapia Ocupacional, o que requisitou docentes capacitados para ministrá-las. Tais profissionais, para além do domínio das práticas, foram instados a assumir o desafio da realização de pesquisa e de produção de conhecimento científico, ampliando a necessidade de sua divulgação em veículos específicos da área.

Os Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional/Brazilian Journal of Occupational Therapy, por sua vez, acompanharam essa trajetória e buscaram sua adequação às novas exigências nacionais de publicação, não sem enfrentar importantes desafios durante esses mais de 20 anos.

Em 1993, mudou sua forma de apresentação, por meio de um novo componente visual, com vistas à publicação de um número maior de textos. Contudo, o desafio de ampliação do número de artigos publicados estava pautado, na área como um todo, desde o início da trajetória da revista.

Em editorial publicado no seu volume 4, de 1993[1], já se abordava essa questão, refletindo a incipiência da pesquisa e de sua divulgação; isso vem se modificando, nos últimos tempos, na medida em que o periódico tem acumulado um número crescente de submissões, o que permitiu o aumento do número de artigos publicados. Esse processo levou, em 2010, à alteração da periodicidade da publicação de semestral para quadrimestral, pelo reflexo do maior número de submissões de textos e do empenho da Comissão Editorial para alcançar os critérios atuais estabelecidos para a produção científica. Em 2014 passaram a ser publicados quatro volumes anuais, sendo, em 2015, oficialmente trimestral.

Na trajetória para atingir os atuais critérios nacionais científicos para publicação na nossa área, bem como para compor o movimento brasileiro pelo acesso público a acervos acadêmicos, investiu-se na disponibilização na rede mundial de computadores de todos os exemplares da revista editados nesses mais de 20 anos. Localizados na base SEER (Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas), esses exemplares encontram-se em consulta aberta no sítio eletrônico da revista.
No percurso de mudança com vistas a atingir bases de dados relevantes para a área, os critérios de submissão e avaliação foram revistos, mantendo-se a apreciação de dois pareceristas ad hoc e da Comissão Editorial, adotadas desde o início dos trabalhos. Os textos submetidos são selecionados segundo os critérios de relevância do conteúdo, consistência argumentativa, coerência teórica e metodológica, adequação estrutural e contribuições para o avanço do conhecimento na área.

Após a revisão realizada em 2010, as categorias de publicação foram classificadas em: Artigo Original, Artigo de Revisão e/ou Atualização de Literatura, Artigo de Reflexão/Ensaio, Relato de Experiência. A multiplicidade de seções busca abarcar a diversidade da produção na Terapia Ocupacional que, embora crescente no campo da pesquisa, apresenta características relevantes quanto a reflexões advindas de formas não sistematizadas, conforme os parâmetros de pesquisa científica, demandando espaços de divulgação.

Nesta direção, em 2017 passa a chamar-se Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional/Brazilian Journal of Occupational Therapy, buscando oficializar sua representação no cenário nacional e internacional na área de Terapia Ocupacional, apesar do nosso enorme afeto histórico pelos Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar.
Esse conjunto de ações, em todo o caminho histórico dos

Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, reflete o trabalho incessante para que essa publicação se aproxime dos rigorosos critérios de indexação de bases de dados internacionais reconhecidas no campo científico.

Cabe destacar, portanto, que o percurso trilhado até aqui foi de extrema relevância para a divulgação do conhecimento em Terapia Ocupacional no cenário nacional e impõem-se, ainda, desafios importantes com vistas a alcançar padrões de cientificidade, divulgação e disseminação do conhecimento na área reconhecidos pelos órgãos de avaliação e de fomento.

REFERÊNCIAS
[1]REBELATTO, J. R. Editorial.Cad. Ter. Ocup. UFSCar,São Carlos, v. 6, n. 1, p. i., 1997.