Prevalência do Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação em uma amostra de crianças brasileiras/Prevalence of Developmental Coordination Disorder in a sample of Brazilian children

Autores

  • Thais Silva Beltrame Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Renata Capistrano Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.
  • Juliano Maestri Alexandre Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Tailine Lisboa Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Rubian Diego Andrade Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Érico Pereira Gomes Felden Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

DOI:

https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0777

Resumo

Introdução: Devido às consequências que o Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação – TDC pode trazer para o desenvolvimento da criança nos aspectos motores, afetivos e sociais, há necessidade de investigações com amostras representativas no Brasil. Objetivo: Este estudo objetivou investigar a prevalência do TDC em escolares de 7 a 10 anos de idade. A amostra foi composta por 787 crianças do município de Florianópolis/SC. Método: O desempenho motor foi avaliado por meio da Movement Assessment Battery for Children Second Edition - MABC-2 que classifica o desempenho motor em três: dificuldade, risco e desempenho motor normal. Para as análises, recorreu-se à estatística descritiva (médias, mínimos, máximos, desvio padrão, frequências) e inferencial (teste Quiquadrado, U de Mann-Whitney, Krusskal-Wallis com post-hoc de Dunn). A significância estatística adotada foi de p<0,05. Resultados: A prevalência de dificuldade motora e risco para dificuldade motora foi de 7,1% e 11,3%, respectivamente, e sem dificuldade de movimento foi 81,6%. Ao associar o sexo com as classificações motoras, observou-se que os meninos apresentaram mais dificuldade motora (X2= 6,38; p=0,04). As meninas apresentaram mais dificuldade nas habilidades de lançar e receber e os meninos nas habilidades de destreza manual. As crianças na faixa etária de 7 e 8 anos apresentaram prevalências maiores de TDC. Conclusão: A prevalência do transtorno, bem como as diferenças entre os sexos, foi considerada semelhante às evidências apresentadas em pesquisas internacionais.

Biografia do Autor

Thais Silva Beltrame, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Renata Capistrano, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Juliano Maestri Alexandre, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano - UDESC.

Tailine Lisboa, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano - UDESC.

Rubian Diego Andrade, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Érico Pereira Gomes Felden, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Downloads

Publicado

2017-03-30

Como Citar

Beltrame, T. S., Capistrano, R., Alexandre, J. M., Lisboa, T., Andrade, R. D., & Felden, Érico P. G. (2017). Prevalência do Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação em uma amostra de crianças brasileiras/Prevalence of Developmental Coordination Disorder in a sample of Brazilian children. Cadernos Brasileiros De Terapia Ocupacional, 25(1), 105–113. https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0777

Edição

Seção

Artigo Original