Expressões da violência de gênero vivenciadas por terapeutas ocupacionais: narrativas e ações de enfrentamento no cotidiano

Autores

Resumo

A estrutura social patriarcal produz e sustenta violências cotidianas individuais e coletivas. Baseamo-nos na ideia de “corpos/experiências”, como pulsão vital para o existir, compreendendo o corpo-terapia ocupacional, profissão predominantemente feminina, para retratar as violências de gênero. O objetivo foi compreender as percepções de terapeutas ocupacionais, atuantes do campo da saúde, sobre violências de gênero em seus cotidianos, por meio da cartografia como dispositivo metodológico. Foram analisadas 67 respostas de terapeutas ocupacionais dentre 1018 respondentes de questionário remoto produzido pelo coletivo Adelaides em pesquisa sobre experiências de violência de gênero no Brasil vivenciadas por mulheres do campo da saúde coletiva. Com questões narrativas e de múltipla escolha, o questionário foi distribuído em três seções: dados socioeconômicos; atuação profissional e acadêmica; experiências envolvendo machismo e violência, e em ações de enfrentamento. Os dados numéricos foram analisados com estatística simples e os qualitativos baseadas na técnica analítica da tradução das narrativas. Os resultados indicam que 91% das participantes sofreram violências por ser mulher nos espaços cotidianos do domicílio, de estudo, trabalho e/ou ambientes públicos. As formas de enfrentamento utilizadas foram organizadas em quatro ações: formar e pesquisar, politizar, romper e cuidar. Concluímos que o cotidiano se apresenta como um espaçotempo potencial das expressões, visíveis e invisíveis, da ação humana, que podem se manifestar por ações violentas, assim como por ações de enfrentamento, assumindo aspectos de reprodução ou transformação das relações estabelecidas como as embebidas na cultura da violência a que as mulheres estão submetidas.

Publicado

2022-05-20

Como Citar

Farias, A. Z., Ferigato, S. H., Silva, C. R., & Liberman, F. (2022). Expressões da violência de gênero vivenciadas por terapeutas ocupacionais: narrativas e ações de enfrentamento no cotidiano. Cadernos Brasileiros De Terapia Ocupacional, 30, e3002. Recuperado de https://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/3002

Edição

Seção

Artigo Original